nunca mais

nunca mais

nunca mais trago o amor
os dias
de volta
as cartas sobre
a mesa
nunca mais o poste
o papel colado
a cuspe

e lágrima

passam as folhas
as palavras
passam

entre concreto
e bitucas de cigarro
os passos
vão de encontro
ao passado

os muros
repetem
meia volta
nunca mais
três dias e ao
acaso
o som dos saltos
e os buracos

nunca mais trago o amor
os punhos
erguidos
os cartazes sobre
o ventre
livre

passam os muros
as folhas
caem
e secam
tristes