rebentação

rebentação

há sempre um mar invisível

despejado a conta-gotas

pingando nos olhos de quem sofre


o sal que queima a retina

e as veias

violentas ondas de miséria


só quem sofre

[por amor]

pode saber


as algas presas aos meus cabelos

e o sempre-mar

na ressaca dos meus olhos


– poema “rebentação”, do meu livro “Um buraco com meu nome”.
– compre “Um buraco com meu nome” e todos os meus livros com descontos e promoções especiais em www.loja.jaridarraes.com