oráculo

oráculo

ela abre a boca e vejo carne crua
manchas brancas sobre vermelho
ligamentos
breves cordões de gordura
ela abre a boca
e tudo é invólucro de eras
passadas em desertos frios
é noite é vento
ela abre a boca e devora a lua
devora os braços
tritura o cervo o cordeiro
suja-se de terra e lama
e a carne saindo da boca
é imagem de mulher

“oráculo”, poema do meu livro “Um buraco com meu nome“.

Compre o livro em www.loja.jaridarraes.com

Leia mais poemas clicando na categoria “Poesia”.